sexta-feira, 20 de junho de 2008

Desenvolvimento de sabão base transparente

Sandra Maria W. Zanin; Marilis Dallarmi Miguel
Jane M. Budel
Ana Claudia Dalmaz3

Professora da disciplina de Farmacotécnica, Departamento de Farmácia, Universidade Federal do Paraná.


Farmacêutica, Especialista em Produtos Naturais.

Farmacêutica.

RESUMO
O sabão é obtido a partir da reação de um álcali com uma matéria graxa. Existem inúmeros usos
para os sabões nos diferentes ramos industriais, sendo de especial interesse a sua utilidade na
indústria farmacêutica, atuando como veículo para incorporação de substâncias ativas tanto
naturais quanto sintéticas. O presente trabalho tem como objetivo o desenvolvimento de uma
base de sabão transparente estável para fins farmacêuticos. Utilizando-se ácido esteárico, gordura
de coco, óleo de rícino, hidróxido de sódio e álcool etílico promoveu-se a saponificação das
matérias graxas com o álcali a quente, tendo como agente de transparência o álcool etílico.
Durante a formação do sabão várias formas cristalinas polimórficas se fazem presentes e suas
propriedades determinam as diversas características para um mesmo sabão sólido e são
influenciadas pela composição e quantidade de gorduras, umidade e eletrólitos bem como
pelo modo de processamento adotado para a produção do sabão. Obteve-se um sabão base
claro, transparente, com odor suave, espuma estável e boa estabilidade, trabalhando-se com a
fase polimórfica adequada (fase beta) para o objetivo desejado.
Palavras-chave: sabão, matérias graxas, transparência.

ABSTRACT
The soap is a product formed during the reaction between an alkali and a grease (vegetable oil,
animal fat and fatty acids) product. It is used for home and personal care. In pharmaceutical
industry it is used as detergent, emulsifying and wetting agent. The soap is an anionic surfactant
employed in a wide range of nonparenteral pharmaceutical formulations and cosmetics. It is a
detergent and wetting agent effective in both alkaline and light acidic conditions. The soap is
largely used in skin cleanser in topical applications. During the fabrication process the soap presents
different polymorphic structures, liquid crystals in four phases (a, b, w, d) distinguished by X ray
crystallography. This phases present characteristic crystalline forms that are responsible for the
soap properties. The product obtained was predominantly in beta phase, clear, transparent, with
light odor and stable spume.
Key words: soap; fatty products; transparent soap.

1. INTRODUÇÃO
O sabão foi seguramente o primeiro detergente utilizado pelo homem, sua origem
perde-se na história, sendo mencionado pelo historiador Plínio no ano 70 a.C. No ano de
1841 detectou-se a diferença entre gorduras e sabão e somente em 1911 é que os seus
componentes foram identificados (RITTNER,1995).
O sabão é umproduto obtido a partir da reação química de umálcali e umamatéria
graxa, usualmente chamada de reação de saponificação. Oseu grupo polar é representado
pelo grupamento COONa e a parte não polar pelo radical R, que é usualmente uma cadeia
de carbono linear com quantidade variável de átomos de carbono. O grupo polar tem
características semelhantes emtodos os sabões, demodo que o radical R é o responsável
pelas diferentes propriedades dosmesmos. Osmelhores sabões são aquelesque apresentam
de 12 a 18 átomos de carbono no radical R, sendo suas características tensoativas
aproveitadas quando ele está em solução aquosa e temperatura elevada (PRISTA,1991;
RITTNER, 1995; MELLO, 1990).
A temperatura elevada diminui ainda mais tensão superficial, por isso lava-se melhor
Revista Visão Acadêmica, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 19-22, Jan./Jun. 2001com água quente (QUIROGA - GUILOT, 1955).
Os sabões têm um uso amplo e tradicional em medicina e farmácia, como produto
de limpeza e como veículo para substâncias ativas. Dentre as características favoráveis
para sua utilização estão: a grande facilidade de limpeza na utilização, uma vez que podem
ser completamente removidos mediante lavagem com água; facilidade de remoção
completa com álcool, quando o uso de água não for possível ou aconselhável; economia
na utilização, existência de ação desinfectante própria, tempo de atuação mais curto do
que o das pomadas e cremes em geral e como estimulante da ação fisiológia da pele
(RITTNER,1995).
O sabão sólido ou hidratado, constitui-se em um sólido cristalino polimórfico, isto é,
sua estrutura cristalina pode apresentar-se sob diversas formas, com cristais que têm ponto
de fusão perfeitamente definidos.
Existem sólidos que se transformam gradualmente em líquidos, e entre o ponto inicial
e o final de sua fusão ocorremdiversas fases transitórias, cada uma caracterizada por limites
distintos entre as fases e seus respectivos pontos de transição. O corpo do material nessas
fases não é considerado totalmente sólido e é designado pelo termo “cristal líquido” ou
estado mesomór fico.
O sabão é uma substância típica que produz fases mesomórficas e as temperaturas
em que essas fases ocorrem situam-se na faixa compreendida entre o chamado “ponto
genotípico” – temperatura de 40 a 50º C onde um sabão atinge a temperatura mínima
para formar um hidrosol completamente límpido (isotrópico) e o ponto de fusão completo
(± 250º C) (OSBORNE,1990; RITTNER, 1995; SAMPAIO,1998).
O tipo de estrutura cristalina determina as formas polimórficas possíveis (fases), a
presença e proporções dessas fases determinamas propriedades e características diversas
para ummesmo sabão no estado sólido. São conhecidas quatro fases cristalinas de sabão
(a, b, w, d) que se distinguem pelas distâncias entre as arestas dos cristais sendo a fase beta
a mais adequada ao sabão em questão. Essas fases cristalinas, bem como o ponto
genotípico, têm suas propriedades influenciadas pela composição e quantidade de
gorduras, umidade e eletrólitos, bem como pelo modo de processamento adotado para a
produção do sabão.
Para obter-se umamaior transparência deve-se inibir o crescimento dos cristais, o que
pode ser conseguido mediante o uso de inibidores de crescimento (álcool etílico), o uso de
matérias-graxas que favoreçama formação de cristaismiúdos, o super resfriamento rápido
do sabão e o trabalho mecânico da massa em temperatura mais elevada do que aquela
do ponto genotípico de transição (RITTNER, 1995).
Dentre os grupos de substâncias utilizadas presentes nos sabões pode-se citar as
substâncias saponificáveis (óleos e gorduras vegetais e animais), as substâncias saponificantes
(hidróxidos de sódio e potássio, aminas e amônia), substâncias de enchimento (talco, caulim,
bentonita) e outras substâncias aditivas que aumentama detergência ou dão características
específicas ao sabão (RITTNER,1995).

2. MATERIAL E MÉTODOS
Para a produção do sabão foramutilizados: ácido esteárico, gordura de coco e óleo
de rícino como matérias graxas, hidróxido de sódio como saponificante e álcool etílico
como agente clarificante.
Revista Visão Acadêmica, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 19-22, Jan./Jun. 2001As matérias graxas foram fundidas em banho-maria a 80° C, sendo o hidróxido de
sódio adicionado logo após a fusão da fase oleosa, ocorrendo neste momento a reação
de saponificação. Esta reação ocorreu rapidamente e logo em seguida adicionou-se o
agente de transparência. A massa fundida obtida foi colocada em formas e resfriada
lentamente a temperatura ambiente (RITTNER, 1995; MELLO, 1990).
Para a determinação da quantidade e qualidade de matéria graxa necessária ao
processo foi realizado o ensaio de avaliação do índice de saponificação de acordo coma
Farmacopéia Brasileira IV edição de modo a obter-se a quantidade de substância alcalina
necessária ao processo.
O produto acabado foi submetido aos principais ensaios de controle de qualidade. O
envelhecimento acelerado foi realizado em estufa a 60° C durante 9 dias, o que equivale
a estocagemdurante 360 dias emcondições normais. O teste de formação de rachaduras
consistiu na redução da barra de sabão a uma espessura de cerca de 6mmcolocada em
recipiente plástico, com a face maior em posição vertical e introdução de água comum
de torneira em temperatura ambiente, até que a mesma cobriu a metade da altura da
barra. Após imersão durante 30minutos a barra de sabão foi retirada e seca a temperatura
ambiente, com a face plainada voltada para cima. Após a secagem examinou-se a
superfície e os bordos da barra para observação da presença de fissuras. Para análise do
fator amolecimento emágua, pesou-se a barra inteira de sabão (valor A) que foi colocada
em placa de Petri com a face maior na posição horizontal. Adicionou-se 35 ml de água
comum de torneira e deixou-se em contato e repouso durante 12 horas a temperatura
ambiente. Após este tempo removeu-se a barra de sabão que foi limpa com um pano
para remoção completa de todo o material mole e gelatinizado presente na superfície e
pesou-se a mesma (valor B). O cálculo é dado pela fórmula:% de perda por peso = índice
de amolecimento = A – B / A x 100 (RITTNER, 1995).
Para a determinação do potencial hidrogeniônico, dissolveu-se a amostra de sabão
na concentração de 10%emágua destilada e realizou-se a leitura do pH empotenciômetro
marca Tecnopon.
Teste de prateleira (“shelf-life”) permitiu a observação da amostra durante um longo
tempo. A amostra foi observada durante umperíodo de umano emtemperatura ambiente
e protegido da luz solar (RITTNER, 1995).

3. RESULTADOS E DISCUSSÕES
A partir das análises realizadas, tanto na matéria-prima, quanto no produto acabado
obteve-se os seguintes resultados: índice de saponificação: a) ácido esteárico 65,92 mg
KOH/g de gordura; b) óleo de coco 68,48 mg KOH/g de gordura; c) óleo de rícino 19,56mg
KOH/g de gordura; sendo a média utilizada 51,32 mg KOH/g de gordura. O referido teste
permitiu determinar a quantidade de KOH necessária para a saponificação de uma alíquota
pré determinada de amostra. Tambémpossibilitou o cálculo da alíquota de NaOH necessária
para saponificar toda gordura presente, que foi de 3,66%.
Os testes realizados no produto acabado resultaram: quanto ao envelhecimento
acelerado pode-se observar que o sabão poderá permanecer durante 1 ano emcondições
normais de estocagem, pois não foramencontrados fenômenos de descoloração, presença
de manchas, existência de odores desagradáveis ou de granulosidades superficiais.
Quanto ao teste de formação de rachaduras observou-se que a amostra apresentou
Revista Visão Acadêmica, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 19-22, Jan./Jun. 2001poucas fissuras, confirmando a presença acentuada de fase beta no sabão. Este teste
também permitiu subjetivamente a avaliação qualitativa da plasticidade do sabão.
Quanto aos aspectos referentes ao amolecimento em água obteve-se o seguinte
resultado: A = peso inicial da amostra = 9,02 g; B = peso final da amostra = 8,81 g, assim
a % de perda de peso da amostra resultou em A – B/ A x 100, isto é, 2,32 %, confirmando
que o produto é de boa qualidade, pois o limite de perda de peso em água é de 4 %.
Quanto ao potencial hidrogeniônico observou-se que ao longo do período de
estocagem o pH permaneceu estável em torno de 7,5.
Quanto ao teste de prateleira (“shelf-life”) a amostra apresentou apenas uma maior
transparência ao longo do tempo, devido ao rearranjo dos cristais do sabão.

4. CONCLUSÃO
Com a realização deste trabalho concluiu-se que para obter-se um sabão na fase
beta que é melhor em termos de transparência, dureza e espumação deve-se seguir alguns
métodos durante o preparo, como por exemplo: realizar trabalho mecânico na massa do
sabão acima do ponto genotípico, utilizar um esfriamento lento do sabão e fazer uso de
clareadores com a finalidade de favorecer a formação de cristais menores no sabão.
Obteve-se assim um sabão transparente, com fase beta predominante, onde a
espumação e dureza são adequados para o uso medicinal pretendido e com pH próximo
ao neutro, próprio para a manutenção das características da base pelo prazo de validade
de um ano e servindo como proposta para incorporação de agentes especiais.

5. REFERÊNCIAS
1. MELLO, R. Como fazer sabões e artigos de toucador. 1. ed. São Paulo: Ícone Editora, 1990.
2. OSBORNE, D.W. Óleo de soja maleatado: suavizante da pele. Cosmetic & Toiletries, São Paulo, v. 2, n. 3, p. 41
– 49, maio/jun. 1990.
3. PRISTA, L. N. Técnica farmacêutica e farmácia galênica. 4. ed.Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian,
1995. v. 1.
4. QUIROGA, M.I.; GUILOT, L.F. Dermatologia cosmética. 2. ed. Buenos Aires: Libreria El Ateneo, 1955.p. 456 –
481.
5. RITTNER, H. Sabão: tecnologia e utilização. 1. ed. São Paulo: Câmara Brasileira do livro. 1995.
Revista Visão Acadêmica, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 19-22, Jan./Jun. 20
Veja uma produção artesanal do sabonete glicerinado


Para comprar produtos químicos visite:
 

Nenhum comentário: